Notícias

Itertins encerra ações na agrotins com balanço positivo

13/05/2017 - Karen Bugano

O Instituto de Terras do Estado do Tocantins-Itertins, encerrou neste sábado, 13 de maio, suas atividades na 17ª edição da Feira de Tecnologia Agropecuária – Agrotins, com balanço positivo de suas ações durante a feira.

No stand foram entregues alguns títulos definitivos de regularização fundiária, onde também as pessoas puderam conhecer um pouco mais sobre o trabalho e ações desenvolvidos pelo Instituto, os proprietários de área rurais puderam tirar dúvidas sobre a regularização fundiária, consultar processos que já estão em trâmite e receber orientações sobre procedimentos cartográficos, demarcação de áreas rurais e jurídicas. 

Alunos de cursos relacionados à atividade agropecuária também visitaram o stand e puderam tirar dúvidas sobre sua área de atuação. “Gostei muito de vir na Agrotins e encontrar o stand do Itertins. Estou terminando o curso de Agrimensura esse ano e pude conversar com a técnica e saber como posso me cadastrar como responsável técnico”, explica a estudante do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO), Maria Helena. 

“A cada ano a participação do Itertins na Agrotins é mais intensa e assídua esse ano superamos o número de títulos definitivos entregues do ano passado. O nosso stand ficou bem localizado, na entrada do pavilhão institucional. Nossa equipe também estava bem preparada e teve uma participação fundamental orientando os visitantes e divulgando as nossas ações para toda a sociedade tocantinense”, comentou o presidente do Itertins, Júlio César Machado.  

Títulos entregues 

O Governador Marcelo Miranda entregou 20, dos 114 títulos definitivos de regularização fundiária, alguns outros títulos foram entregues no stand do Itertins na Agrotins e o restante está sendo entregue na sede do órgão. As áreas regularizadas estão localizadas nos municípios de Natividade, Nazaré, Santa Rosa, Formoso do Araguaia, Campos Lindos, Wanderlândia, Araguaína, Arraias, Porto Nacional, Taguatinga, Taipas, Palmas e São Félix do Jalapão. Através do documento é possível ter segurança jurídica sobre a terra, tirar licenças ambientais, pleitear financiamentos bancários para investir na terra, cadastro ambiental rural, dentre várias outras situações.

Compartilhe esta notícia